Em Curitiba, CNH Industrial faz ação com motociclistas para conscientização no trânsito

A CNH Industrial promoveu o Projeto Viva Motociclista, em parceria com a Polícia Militar do Paraná (PM-PR). No último ano, a empresa identificou que dos 2.000 colaboradores que atuam na fábrica em Curitiba (PR), 600 usam a motocicleta como meio de transporte até o trabalho. Desde então, realiza ações com foco em segurança e prevenção para capacitá-los na direção defensiva e torná-los multiplicadores dos conhecimentos adquiridos.

Segundo o responsável pelas áreas de Saúde, Meio Ambiente e Segurança da CNH Industrial, Fábio Belasco, o objetivo do treinamento foi demonstrar ao condutor o entendimento de que a cidade é um espaço de convivência social e, assim sendo, deve nortear-se numa condução consciente e segura.

Dados da Polícia Militar do Paraná (PM-PR), registrados pelo Boletim de Acidentes de Trânsito Eletrônico Unificado (BATEU), mostram que em 2018 o percentual de acidentes com feridos envolvendo motociclistas foi de 53,54%, o maior registrado nos últimos cinco anos, em Curitiba.

Diante desse cenário, o objetivo do Viva Motociclista é permitir que os condutores de motocicleta tenham maior percepção da legislação vigente, aplicando-a no seu cotidiano, possibilitar que eles identifiquem condutas incorretas praticadas por outros motoristas, durante a pilotagem de suas motocicletas, e ainda, oportunizar a mudança de atitude durante a condução, tanto no trânsito urbano, quanto rodoviário, respeitando as normas e sinalização.

O treinamento também visa propiciar que a pilotagem segura seja aplicada por todos os condutores participantes do projeto, garantindo o bem-estar dele e do passageiro, e ainda desenvolver no participante normas e atitudes referentes ao trânsito, tais como o respeito ao patrimônio público, ao trabalho dos policiais e do agente de trânsito, ao cumprimento dos deveres como cidadão, à sinalização e leis de trânsito.

A procura por motocicletas é uma tendência crescente, principalmente ao se considerar a opção mais barata para economia de combustível. Elas tendem a fazer mais do que o dobro de quilômetros com a mesma quantidade de combustível dos automóveis, e tempos de frequentes reajustes no preço dos combustíveis, principalmente da gasolina, os motoristas são fortemente influenciados pela preferência.

E de encontro a essa realidade, o manual de treinamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), escritório Regional das Américas, em Prevenção de Lesões Causadas pelo Trânsito, distribuído em 2011, mostra que quem é mais afetado pelas lesões causadas pelo trânsito: “Os vulneráveis usuários das vias – pedestres, ciclistas e motociclistas – representam uma proporção muito maior de colisões de trânsito”.

(Fonte: Assessoria de Imprensa)