Governo federal promove ação para valorizar trabalhadoras rurais

Dia 15 de outubro é comemorado o Dia Internacional da Mulher Rural. Para celebrar a data, a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário está promovendo a ação   “15 dias de ativismo pelo empoderamento das mulheres rurais”. A iniciativa faz parte da campanha internacional #MujeresRurales, mujeres con derechos.  A ideia é difundir os principais objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e a forte ligação da atuação da mulher rural para o cumprimento dos temas.

Afinal de contas as mulheres estão em diversos lugares: no campo, nas lavouras, cuidando dos lares, mas também não deixam de marcar presença nas escolas. As mulheres têm mostrado o papel fundamental que elas têm no cumprimento do 4° dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU) para 2030. O ODS 4 busca garantir uma educação de qualidade para todos.

Os relatos delas mostram que o campo também é lugar de livro, caneta e papel.  Foi justamente colocando a realidade da mulher rural no papel, em um poema, que a agricultora Gracivan Pereira, do município Xinguara (PA), mudou a sua vida e viu que muitas outras mulheres passavam pelas mesmas dificuldades.

A história dela não era muito diferente das demais. Casada, aos 16 anos de idade, trocou os sonhos de adolescente pelo trabalho no campo. A rotina corrida não deixava mais tempo para os livros. “Aprendi lidar cedo com a terra, tirar leite, fazer doce, sabão, requeijão e, nos primeiros quatro anos de casamento, já tinha dado a luz aos meus três filhos. As responsabilidades aumentavam a cada passo que eu dava”, relata.

Gracivan amava a vida no campo, mas não se conformava com a falta de infraestrutura e sentia que podia mudar essa realidade. A agricultora começou aos poucos e com pequenos passos. Foi mudando os rumos da sua história. “Comecei a participar ativamente da associação de produtores rurais, onde consegui depois de 12 anos conquistar uma casa de tijolo, luz elétrica e o tão sonhado fogão a gás”, lembra.

As conquistas não paravam por aí.  A sede por conhecimento fazia parte da vida da agricultora. Por meio de um simples rádio a pilha, ela se mantinha informada de seus direitos e deveres.  A produtora conta que foi ouvindo o rádio que ela tomou uma atitude que iria fazer toda a diferença em sua vida. “Um dia me encorajei e escrevi uma carta para o programa natureza viva, onde eu enviei junto o poema de minha autoria: Uma Maria quarqué”.

Os versos do poema de Gracivan retratam a realidade da mulher no campo, que com muito orgulho tiram da terra o sustento do dia a dia. “Quando a locutora leu o poema no ar pela primeira vez, ao som da música Maria Maria, do cantor Milton Nascimento, me emocionei muito, mas, eu não fui a única. Logo chegaram muitas cartas pedindo que o poema fosse lido novamente e de outras mulheres rurais me agradecendo e dizendo que se sentiram representadas no poema”, afirma.

 

O relato dessas mulheres que se viram no poema de Gracivan motivou a agricultora a olhar para um ponto fundamental para o seu desenvolvimento: a educação. “Foi através dos depoimentos de outras trabalhadoras rurais que me encorajei e voltei para escola. Depois de anos longe dos estudos, terminei o ensino fundamental”, destaca a agricultora.

 

Esse foi apenas o primeiro passo para uma longa jornada nos caminhos da educação. Gracivan concluiu também o ensino médio e, depois, foi contemplada por uma bolsa de estudos. Se formou em letras.  A caminhada não parou por aí, a agricultora fez pós-graduação em língua portuguesa e literatura, foi para academia Xinguarenses de letras, entrou para Associação de Escritores Sul e Sudeste do Pará. Tudo isso aliado ao trabalho no campo.  “Me mantive sempre na zona rural, sem deixar de ser mulher, mãe, avó, esposa e sobretudo mantendo no coração a vontade de ir além”, comemora.

Gracivan é o exemplo de que a mulher rural tem um papel fundamental ao levar e motivar a educação no campo. Com o poema Um Maria Quarqué, Gracivan ganhou inúmeros prêmios e troféus, entre eles o primeiro lugar no concurso da campanha #MulheresRurais, mulheres com direitos. A agricultora conseguiu alcançar o objetivo relatado em seu poema de através do papel chamar atenção para as “tantas Marias quaisquer, que vivem de realidade, que retratam o amor à vida e a fé, que só desejam ser respeitadas ao longo dessa jornada no seu ranchinho de sapé”.

15 dias de ativismo

No marco da campanha internacional #MujeresRurales, mujeres con derechos, o Brasil inicia a sua participação nos “15 dias de ativismo pelo empoderamento das mulheres rurais”. A ideia é difundir os principais ODS a forte ligação da atuação da mulher rural para o cumprimento dos temas.

(Fonte: Sec. Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário).