Secretaria de Agricultura de SP divulga pesquisa sobre melhorias na produtividade de batata-doce

Batatas-doces coloridas, mais produtivas e com características que agradam produtores rurais e consumidores. Esse é o objetivo de uma pesquisa científica desenvolvida pela Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, em Presidente Prudente, principal região de cultivares do tubérculo em São Paulo. O Estado é o segundo maior produtor nacional do produto.

Os resultados iniciais do trabalho serão divulgados durante o II Simpósio da Batata-doce pela pesquisadora da APTA, Amarílis Beraldo Rós, nesta quinta-feira (13/06) , em Presidente Prudente. O Simpósio faz parte da programação da 2ª Batatec – Feira Tecnológica da Batata-doce, que acontecerá de 14 a 16 de junho, e que conta com apoio da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, por meio da APTA.

A pesquisa, que começou em 2016, conta com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Para a realização do trabalho, a pesquisadora plantou campos de batata-doce com as cultivares Uruguaiana e Londrina, materiais mais utilizados pelos produtores da região, e deixou a natureza agir. Foram geradas mais de duas mil sementes a partir de polinização natural e essas, depois de semeadas, originaram ramas que foram plantadas e permitiram a avaliação uma a uma de mais de 1.500 variedades diferentes de batata-doce.

“Identificamos entre todos esses materiais os 80 que achamos mais promissores, com características relacionadas à alta produtividade, coloração de polpa e aspecto da casca. Identificamos cultivares de polpa branca e amarela, que são as preferidas dos produtores, mas também bicolores e laranjas, com altos índices de betacaroteno. Acreditamos que alguns desses materiais possam ser interessantes para nichos de mercado”, explica Amarilis.

A expectativa é que, em três anos, a APTA apresente ao setor produtivo novos materiais a partir deste trabalho. “Precisamos ainda fazer diversos testes no campo, além da avaliação das características relacionadas ao sabor e textura, porém, já identificamos plantas que produzem 64 toneladas por hectare, enquanto as cultivares mais plantadas pelos produtores alcançam até 30 toneladas por hectare”, afirma pesquisadora.

(Fonte: Assessoria de Imprensa)