Cafeicultor pode reduzir custos com investimentos em tecnologia

Considerando que a colheita do café nas principais regiões produtoras do Brasil se inicia em meados de maio e junho, os primeiros meses do ano acabam sendo, para os cafeicultores, o período mais comum para fazer investimentos em novas tecnologias e maquinários. Segundo especialistas do segmento, adiantar essa tomada de decisão pode trazer ganhos significativos ao produtor.

É possível tomar como exemplo a colheitadeira de café P1000, da Pinhalense, uma das mais procuradas no mercado. Por se tratar de um equipamento de alta complexidade, sua fabricação demanda mais tempo. Ao adquiri-la com antecedência em relação ao período costumeiro – ou seja, fazer negócio no final do ano, por exemplo – o produtor evita transtornos de última hora, como a falta do equipamento no momento em que ele mais necessita. Também consegue mais tempo para a liberação do financiamento, caso seja essa a condição de pagamento escolhida.

Para quem está comprando sua primeira colheitadeira, esse adiantamento se torna ainda mais recomendável em termos de adaptação ao manuseio da nova máquina e de segurança. “Apesar de a colheitadeira P1000 ser um equipamento já consolidado no mercado, seu manuseio depende de um operador com conhecimento e também a garantia de que o fabricante faça a devida entrega técnica e tenha suportes financeiros e pessoais para quaisquer dificuldades ou problemas encontrados”, explica Claudio Nogueira, coordenador comercial da Pinhalense.

Por fim, existe também um benefício financeiro, já que o comprador consegue uma negociação com os preços ainda de 2017, evitando, assim, possíveis aumentos de tabela para o próximo ano.

Mais informações: www.pinhalense.com.br

(Fonte: Assessoria de Imprensa)