Com investimentos em inovação e tecnologia, ZF aposta no futuro dos ‘tratores inteligentes’

Estamos na era da inteligência artificial também aplicada a máquinas agrícolas. Nesse contexto e num cenário ideal de equipamentos inteligentes em operação na fase de safra, por exemplo, o agricultor poderá programar um trator (sem condutor) para ser guiado por outra máquina e realizar aplicações complementares no campo, com a proposta de otimizar tempo e recursos financeiros.

trator-autonomo-zf-lindnerNa prática esse aprendizado de máquina funciona assim: o agricultor faz a configuração por meio de aplicativo para o trator realizar as tarefas determinadas na área mapeada da fazenda. Tudo isso graças à combinação de câmeras com sensores, radar, e GPS, sistemas integrados que auxiliam o trator com visão 360 graus para permanecer na rota, além de reconhecer pessoas e obstáculos no caminho, se precisar parar. Enquanto trabalha no campo, esse trator inteligente armazena os dados de aprendizado para repetir em outras tarefas, mesmo se não estiver sendo direcionado pelo trator guia. Embora ainda distante de se tornar realidade no campo, esse conceito de máquina inteligente começa a ganhar mais espaço nos investimentos de pesquisa e inovação. Um exemplo disso é o protótipo de trator semiautônomo com motor elétrico que a ZF desenvolveu junto com a montadora austríaca Lindner.

Segundo a ZF, o veículo conceito foi inspirado em um modelo compacto da Lindner (Lintrac 90), e há cerca de dois anos opera em fase de testes em grandes fazendas na Europa. “Estamos desenvolvendo um conceito. Estamos preparados e no caminho certo, e acreditamos que a infraestrutura necessária vai chegar”, diz Silvio Furtado, diretor de vendas da ZF América do Sul.  Embora o Brasil seja um campo fértil para experiências como essa em função do clima e da quantidade de culturas produzidas aqui, ainda há muita deficiência, por exemplo, na oferta de internet – estima-se que cerca de 80% da área agrícola não têm cobertura de GPS. Além disso, algumas variáveis no campo em processos como a colheita e o transporte da cana-de-açúcar, por exemplo, dificultam a ação de reconhecimento do terreno pelos sensores dessas máquinas inteligentes por causa da baixa visibilidade das câmeras em terrenos críticos.  “As barreiras são grandes, precisamos de mais ajustes e infraestrutura. Mas as grandes montadoras estão olhando as oportunidades para desenvolverem essas soluções aqui, e estamos preparados”, observa Furtado.

“Ver, pensar, agir”

Esse protótipo de máquina agrícola semiautônoma desenvolvido, principalmente, a partir de centrais inteligentes de dados, sensores e câmeras segue o conceito Smart Farming 4.0 alinhado às demais soluções da ZF para projetos de veículos autônomos (leves e comerciais) – trata-se de produtos desenvolvidos a partir de deep learning (aprendizagem profunda), uma área da ciência da computação que pretende elevar a autonomia das máquinas em diversas aplicações.  Esse case de trator protótipo da ZF e da Lindner será apresentado ao público da Agrishow em Ribeirão Preto (SP), entre os dias 30 abril a 04 de maio. A ZF diz investir algo em torno de 2 bilhões de dólares por ano em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos.

Eixos para o mercado agrícola: 500 mil unidades produzidas no Brasil em três décadas

Já se passaram 33 anos desde a instalação da fábrica da ZF em Sorocaba (SP), em 1985, e o mercado agrícola e de construção continuam puxando a produção de um dos produtos de maior comercialização da companhia. Segundo a fabricante, a planta matriz de Sorocaba comemorou recentemente a marca de meio milhão de eixos produzidos nesse período. “Em três décadas, a ZF fez história atendendo a demanda de mercado com produtos pioneiros e robustos, para utilização em operações severas e ininterruptas no campo e em canteiros de obras”, afirma Wilson Bricio, presidente da ZF América do Sul. A empresa acaba de completar 60 anos no Brasil.

Em seu portfólio, a fabricante oferece eixos dianteiros para tratores e máquinas agrícolas com potências de 75 a 240 cavalos, além de eixos dianteiros e traseiros para retroescavadeiras do segmento de construção. Na Agrishow uma das novidades a ser divulgada pela ZF é o lançamento do Eixo Narrow para tratores de 25 a 70hp e aplicações com menores raios de giro e restrições de espaço. Esse produto é derivado da nova joint-venture criada pela ZF com a YTO, considerado um dos principais fabricantes chineses de máquinas para construção e agricultura.

Na edição de 2017 da Agrishow, a ZF lançou o Eixo TSA 23, considerado pela companhia como um produto com elevado nível de tecnologia para tratores agrícolas com faixa de potência entre 160 e 240hp. Foi concebido e testado em parceria com universidades. De acordo com Silvio Furtado, diretor de vendas da ZF América do Sul, um dos principais diferenciais é a bitola com três metros criada para aplicações da cana-de-açúcar, como solução de fábrica. O eixo TSA 23 também pode operar na versão standard, com 1,8 metro padrão.  Outro atributo é o sensor de esterçamento embutido na carcaça lateral. O sistema conta com interface para GPS das montadoras para manter o trator sempre na rota. O cabeamento fica dentro da carcaça fundida para evitar danos nas culturas. O produto foi desenvolvido para equipar máquinas da Massey Ferguson, mas é comercializado também para outras marcas.