Extrapesado Axor é destaque da Mercedes-Benz na Fenatran

Os caminhões extrapesados Axor da Mercedes-Benz estão totalmente renovados. Esta é a linha que mais recebeu recursos derivados do ECONFORT, filosofia de desenvolvimento lançada em 2014 e que assegura um alto padrão de economia, conforto, força e desempenho para o transporte de cargas rodoviário e fora de estrada. Já são cerca de 57 itens agregados ao Axor, sendo que 13 novidades serão lançadas na Fenatran 2017, o maior e mais completo Salão de Transporte Rodoviário de Carga da América Latina,  que se encerra  nesta sexta-feira (20) no SP Expo.

“Com todos esses aprimoramentos, o Axor representa a plenitude do ECONFORT”, diz Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças & Serviços Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. “Vamos mostrar no evento que terminamos um ciclo de novidades que resultaram num novo Axor, com muito mais valor agregado aos clientes da marca, reforçando o reconhecido baixo custo operacional e o seu excelente custo/benefício”.

Na Fenatran, as novidades serão apresentadas por meio da exposição dos modelos Axor 2544 6×2 rodoviário, nas cores Cinza Galcon e Laranja Setter, e Axor 3344 6×4 fora de estrada, na cor Amarelo Lamec. “Esses 57 novos itens foram solicitados pelos nossos clientes. E isso prova que estamos cumprindo à risca o compromisso estabelecido no slogan ‘As estradas falam. A Mercedes-Benz ouve’”, diz Leoncini.

Uma das grandes novidades da linha de caminhões Axor, tanto rodoviário, quanto fora de estrada, é a introdução de um novo túnel do motor mais baixo, 100 mm em relação ao anterior. O túnel passa a ter cerca de 200 mm de altura, “o menor de sua categoria”, proporcionando muito mais espaço e comodidade no interior da cabina.

No caso da cabina Leito Teto Alto, a diminuição do túnel resulta numa altura interna livre sobre ele de 1.780 mm, proporcionando assim mais praticidade e conforto para o motorista. Isso também facilita a movimentação interna. Já na cabina Leito Teto Baixo do Axor fora de estrada, a altura no interior chega a 1.310 mm, assegurando igualmente um ótimo nível de conforto.

Para um maior padrão de bem-estar a bordo, a linha Axor ganha, ainda, um novo climatizador, mais compacto (75 mm mais baixo sobre o teto da cabina) e mais leve (menos 18 kg), porém com maior volume de água (mais 6 litros). Essa novidade assegura melhor aerodinâmica ao caminhão, com mais eficiência e economia de combustível, além de mais conforto para os ocupantes.

O motorista ganha mais benefícios com o novo Axor. Este é o caso do painel de instrumentos com novas funções. As novidades ficam por conta de informações sobre a pressão de turbina, muito requisitada por motoristas, tempo/consumo em marcha lenta, consumo em litros e alerta de velocidade. O cliente tem ainda vários idiomas à escolha para configurar seu painel: português, inglês, espanhol, alemão e árabe. Essas novas características trazem vantagens como mais praticidade e melhor monitoramento do veículo.

O câmbio automatizado Mercedes PowerShift teve sua inteligência aprimorada, proporcionando um ajuste de troca de marchas mais refinado, tanto na regressão, como na progressão. Com isso, o caminhão trabalha na marcha mais correta para cada situação de operação.

Outro benefício dessa melhora de inteligência é a introdução do novo Piloto Automático, que oferece praticidade e economia no dia a dia da operação do caminhão. No piloto automático tradicional, a inteligência está configurada para o veículo atingir a velocidade ajustada o mais rápido possível, ou seja, em máximo desempenho (“plena carga” no acelerador), aplicando-se o máximo torque e potência. A nova versão está configurada para economia de combustível, isto é, o sistema reconhece as condições da pista (inclinação) e carga, por meio dos sensores do veículo, e ajusta a demanda de torque e potência do motor orientando-o para trabalhar com economia de combustível. Por exemplo: em um declive, ao invés de acelerar com plena carga para atingir a velocidade desejada o mais rápido possível, o sistema identifica a inclinação da pista e aproveita a inércia do veículo para atingir a velocidade desejada. Isso pode proporcionar até 1% de economia de combustível em relação ao piloto automático tradicional.

 

 

 

(Fonte: Assessoria de Imprensa).