Conheça as novas escavadeiras da Case para aplicação florestal

Durante a ExpoForest (Feira Florestal Brasileira), a CASE Construction Equipment apresentou dois lançamentos: as escavadeiras hidráulicas CX130C, de 13 toneladas, e a CX180C, de 17,6 toneladas. Os dois modelos são na versão florestal, próprias para o trabalho de corte e movimentação de madeira de reflorestamento.

“Vamos apresentar dois produtos com demonstração dinâmica, sendo estes desenvolvidos para operar em todas as fases da atividade da colheita: 1º, 2º e 3º cortes, que são cortes seletivos e também em corte raso, onde se colhe a área por completo”, explica Maurício Moraes, gerente de Marketing da CASE para a América Latina.

Os modelos têm menor custo operacional e de aquisição em relação aos equipamentos utilizados nesta atividade e seguem a tendência da atividade que é a colheita de árvores prematuramente, segundo Moraes. Esses equipamentos têm uma estrutura favorável para qualquer tipo de terrenos: seu sistema de tração é bastante robusto e reduzido, o que facilita vencer os aclives e proporcionar grande estabilidade nos declives.

Outra vantagem das escavadeiras de menor porte é a facilidade de deslocar e girar entre as árvores sem tocá-las. “Qualquer dano na casca das árvores que permaneceram nos cortes seletivos (1º, 2º e 3º cortes) poderá ser uma porta de entrada de doenças”, explica.

Moraes ressalta que essas escavadeiras são nacionais, fabricadas na planta de Contagem (MG), enquanto a maioria dos demais equipamentos disponíveis no mercado para esta atividade, são importadas e não têm a mesma versatilidade para uso em outras aplicações.

Aplicações – As escavadeiras hidráulicas versão florestal têm aplicações variadas, de acordo com o seu tamanho. O especialista de produto Trazílbio Neres explica que o modelo de 13 toneladas – a CX130C – é direcionado a aplicações de corte seletivo (1º, 2º e 3º cortes) por ser de pequeno porte e ter maior facilidade de manobra entre as árvores. Com isso, ela poderá proporcionar produção equivalente aos equipamentos maiores nesta atividade com custos menores.

Por outro lado, a CX180C de 18 toneladas, está muito bem adequada a operar em todas as etapas da atividade de colheita, com os mesmos acessórios das escavadeiras 20 toneladas e poderá proporcionar produção equivalente também com custos menores.

Os projetos das escavadeiras versão florestal foram desenvolvidos para atender à demanda de colheita de madeira de reflorestamento, utilizada principalmente pela indústria de celulose. “Assim como desenvolvemos as pás-carregadeiras nas versões canavieira e fertilizante, este é mais um modelo que vem atender às especificidades de um segmento, garantindo maior produtividade”, analisa Maurício Moraes.

De acordo com o executivo, a escavadeira hidráulica passa por modificações e ajustes para se adequar à essa aplicação. Com um processador florestal, um implemento diferenciado representado por uma empresa parceira acoplado na extremidade do braço, o conjunto derruba, corta as toras com comprimentos programados e se necessário, descasca a madeira colhida.

“Trata-se de um processador de madeira com dois pares de garras no dorso que abraçam a árvore; em seguida, um sabre semelhante ao de uma motosserra a corta em sua base. Um cinematismo do processador tomba o cabeçote e a árvore, colocando-os na horizontal e dois ou mais rolos giratórios a deslocam e fazem o corte, de acordo com o comprimento programado, controlado por um sensor”.

O modelo tem também proteção em toda sua estrutura para evitar danos causados por queda de galhos. A cabine do operador é protegida por grades na parte superior e frontal, além de um vidro para brisa reforçado (LEXAN) de 12mm que garante a integridade do operador em caso de quebra da corrente de corte da serra.

(Fonte: Assessoria de Imprensa)