Feira no SP Expo dá novo fôlego para mercado de máquinas e equipamentos

A variedade de produtos e soluções para diferentes perfis de segmentos chamou a atenção dos visitantes da Semana das Tecnologias Integradas para a Construção, Meio Ambiente e Equipamentos, realizada entre os dias 07 a 09 de junho no SP Expo.

Em uma área de 10 mil metros quadrados, 122 empresas apresentaram suas estratégias para aproveitar as oportunidades, mesmo com a instabilidade econômica. Os organizadores da feira estimam um público de 15 a 20 mil. Os dados ainda não foram divulgados.

Versatilidade e robustez

O mercado de “utilities” é a aposta da Sematech, uma das 17 marcas da Caterpillar, que apresentou dois modelos de carregadeiras de rodas: SEM638 (caçamba de 1,7m³) e SEM618B, de menor porte. Outro destaque da empresa é a versão QC (caçamba de 1m³) e garfo porta pallets intercambiáveis por meio do sistema quick-coupler.

“Nós acreditamos e apostamos que temos de continuar projetando nossos produtos, porque apesar da crise econômica nossos clientes estão decididos a trabalhar e buscar soluções, para o país retomar o crescimento. Recebemos muitas visitas com vários negócios fechados de compra de máquinas”, afirma Alfredo Sarmento Filho, Gerente Comercial da Sematech.

Entre os segmentos mais atendidos nesse momento, estão lojas de materiais de construção, terraplanagem, pedreiras, empresas de movimentações de materiais, e o setor agrícola que usa máquinas de construção como suporte. “Nossas carregadeiras atendem perfeitamente essas necessidades”.

Ivan Pezzoto, Gerente de Vendas para América Latina, reforça que o objetivo da Sem é oferecer produto de qualidade para o cliente que busca uma máquina simples e robusta. “São clientes que não precisam usar a máquina 24 horas, sete dias por semana, porque não precisam pagar o custo dessa disponibilidade. É um tipo de máquina mecânica, com custo de manutenção baixo, mas com durabilidade, porque usamos componentes de qualidade”.

carregadeiras

 

Equipamentos para demolição

A Paladin aproveitou a ocasião para divulgar sua nova série de rompedores hidráulicos (pequenos, médios e grandes) para uma variedade de serviços de demolição e aplicações de 1 tonelada até 55 toneladas.  Os de pequeno porte são ideais para miniescavadeiras e minicarregadeiras em operações de manutenção de estradas, demolição urbana e remodelamento de construções. Os rompedores hidráulicos médios são recomendados para ruptura de pedras duras e concretos reforçados, por exemplo. Já os rompedores grandes trabalham em demolições pesadas, como escavações primárias de pedreiras, tunelamento e mineração. Outro destaque apresentado na feira é a fresadora de asfalto bastante requisitada para obras de pavimentação no país.

Apesar da instabilidade política e econômica, Paulo Burjaili Neto, Gerente de Vendas da Paladin, disse que a empresa está avançando em segmentos estratégicos. Por exemplo, ele reforçou que, neste ano, a empresa já registra crescimento de 15% nas vendas a distribuidores e de 40% nos negócios fechados com montadoras. Um crescimento motivado, principalmente, pelo mercado de exportação. Paulo Burjaili Neto destacou como ponto forte a prioridade da empresa no relacionamento com o cliente, e as estratégias de pós-venda.  “Trabalhamos com estoque para pronta entrega em toda nossa linha de reposição”.

rompedor hidráulico Paladin

 

Peças de reposição

Na área de serviços, a Costex Tractor Parts do Brasil apresentou seu portfólio de peças de reposição para equipamentos pesados: componentes de motor, trem de força, peças hidráulicas, sistema de injeção e resfriamento, além de ferramentas de penetração de solo, material rodante, parafuso, porcas e arruelas. Carla Simonne Inácio Marcelino, da área de Compras e Exportação, reforçou como destaque o mercado de importação, e avaliou como positiva a participação na Semana das Tecnologias Integradas para a Construção, Meio Ambiente e Equipamentos. “Nós nos surpreendemos com a boa qualidade das visitas que recebemos”, exclamou.

Ensino a distância para operadores de guindastes

Entre as novidades, a multinacional Terex (Genie, Powerscreen, CBI e Demag) levou para feira soluções tecnológicas para a segurança e qualificação de operadores de guindastes. A plataforma e-learning “Mundo dos Guindastes” (www.eadcranes.com) oferece treinamento online completo ao custo de R$ 69,90 – o primeiro capítulo é grátis – e ainda permite que o trabalhador faça o cadastro atualizado de seu currículo para futuras contratações.

“Apresentamos um conteúdo dinâmico, interativo, atualizado e em conformidade com as NRs e normas técnicas nacionais e internacionais, vigentes atualmente”, diz o engenheiro de automação Ricardo Beike.  No quesito segurança, a Terex apresentou o novo sistema de alarme de contato Genie Lift Guard desenvolvido para emitir sinais de alerta se o operador estiver em risco. O dispositivo eletrônico de segurança secundária é instalado como acessório padrão na maioria dos novos modelos de elevadores de braço Genie Z (articulados) e S (telescópicos).

XCMG aposta na retomada do mercado brasileiro

A chinesa XCMG trouxe para o evento sua linha atualizada com novos componentes tecnológicos e modelos com fabricação nacional e motores Tier3. Os destaques são o rolo compactador XS123PDBR, a motoniveladora GR1803BR, a pá carregadeira LW300BR, a escavadeira XE215BR, e a retroescavadeira XT870Br, a primeira máquina nacionalizada pela XCMG na fábrica de Pouso Alegre (MG) com participação do centro de tecnologia da empresa na China. O presidente da XCMG para a América Latina, Cui Jisheng, esteve no estande da empresa para reforçar o papel estratégico do mercado brasileiro para a companhia chinesa. Apesar da estagnação econômica, ele ressaltou a importância dos investimentos na planta brasileira inaugurada em junho de 2014, atualmente com 450 funcionários.

Cui Jisheng XCMG

“Investimos no momento em que o mercado começou a cair, investimos para nos posicionarmos, para nos prepararmos para o crescimento do mercado”, disse Cui Jisheng.  O dirigente chinês reforçou ainda que a empresa tem planos de longo prazo no Brasil, e pretende preparar a fábrica de Pouso Alegre (única planta da XCMG fora da China) para ser o principal parque industrial. “Sobre a questão atual do mercado, enxergamos oportunidades a longo prazo. Não estamos com medo de perder”, afirmou.