John Deere recebe premiação por iniciativas de diversidade e inclusão no mercado de trabalho

A John Deere acaba de ser premiada pelo Guia Exame Diversidade como uma das empresas mencionadas no primeiro levantamento voltado a reunir empresas que promovem boas práticas inclusivas. A iniciativa é da revista Exame, em parceria com o Instituto Ethos. A cerimônia de premiação ocorreu quarta-feira (27/03), em São Paulo (SP).

Por conta das diversas práticas desenvolvidas pela companhia, que já inseriram diversos profissionais no mercado de trabalho, a John Deere foi reconhecida como o principal destaque na categoria “empresas de bens de capital”. A inclusão de PCDs, a criação de um comitê voltado a questões LGBTI+, os programas de desenvolvimento de mulheres e as metas de D&I (que visam aumentar o número de negros e mulheres em posições de liderança) foram alguns dos motes para esse reconhecimento.

“Para a John Deere, é um orgulho ser reconhecida como uma empresa destaque nos esforços de diversidade e inclusão. Para nós, ter pessoas com deficiência em nosso grupo é muito mais do que preencher qualquer cota ou cumprir legislações trabalhistas. É uma maneira de desenvolver esses profissionais e integrá-los ao mercado de trabalho. Buscamos oferecer oportunidades em postos em que consigam desempenhar seu potencial com qualidade, oferecendo ferramentas para qualificá-los para ao continuo crescimento em nossa organização”, diz Wellington Silvério, diretor de Recursos Humanos da John Deere para a América Latina.

“Temos mais de 250 PCDs em nossas operações no Brasil. Em duas unidades, foram criadas turmas de aprendizes formadas exclusivamente por pessoas com deficiência intelectual e por surdos. Essas ações, que alcançaram sucesso no Brasil, passaram a ser aplicadas também nas unidades da companhia na Argentina e México”, complementa Vladimir Alves, gerente de Diversidade e Inclusão da John Deere.

Vladimir também ressalta outras ações realizadas pela companhia, como a presença de uma intérprete de Libras nas reuniões gerais, reuniões periódicas específicas para tratar temas de interesse desse público e treinamentos da linguagem brasileira de sinais (Libras) para os funcionários. “Todas estas iniciativas fazem com que a John Deere se posicione como referência em diversidade e inclusão”, destaca Alves.

Atualmente, a John Deere possui diversos programas de diversidade e inclusão em curso, como o WomenREACH, gerenciado por funcionárias para incentivar o desenvolvimento das mulheres, trocar experiências e reforçar pontos como inclusão e diversidade na companhia); Um Sonho Especial Realizado, voltado para chegada de um filho/filha, cujo público-alvo inclui mães adotivas, pais ou mães em licença e as funcionárias gestantes; Women in Operations, dedicado a mulheres atuantes em operações; Speed Mentoring, voltado a tirar dúvidas sobre gestão e desenvolvimento de carreira com os líderes da John Deere; e campanhas sobre o Dia do Orgulho LGBT e Semana da Consciência Negra.

Desde 2017, a companhia conta com um Conselho de Diversidade e Inclusão, que se reúne periodicamente para propor novas ações e avaliar o trabalho que vem sendo realizado. Sua principal função é discutir e desenvolver estratégias para aprofundar ações dentro de quatro tópicos: gênero, pessoas com deficiência, funcionários de produção e cultura. “Para nós, esse reconhecimento pela Revista Exame e Instituto Ethos referenda que estamos no caminho certo, mas não nos tira a certeza de que temos muito por fazer por um ambiente ainda mais diverso e inclusivo, além, é claro, de influenciar e contribuir com a sociedade de uma maneira mais ampla”, finaliza Silvério.

(Fonte: Assessoria de Imprensa)