Com versatilidade, retroescavadeira JCB ganha destaque em aplicações no Porto de Santos (SP)

As indústrias da Baixada Santista já dão sinais de recuperação e retomada dos negócios. Prova disso, é que na região portuária de Santos uma retroescavadeira JCB 3CX trabalha forte na ampliação de um porto de granéis líquidos, em local onde serão construídos tanques para o armazenamento desses produtos. A máquina foi adquirida recentemente na Automec/JCB pela Locare Locações, empresa contratada para fornecer os equipamentos para essa obra.

De acordo com Ronan Tavares Teodoro, diretor da Locare, atualmente o trabalho está na etapa de fundação e a 3CX é utilizada em vários serviços devido a sua versatilidade. “A máquina é uma espécie de ‘faz-tudo’, seja na etapa de estaqueamento e quebra de pontas das estacas, seja na movimentação de material, escavação para passagem de tubulações e carregamento de caminhões basculantes que levam material para o bota-fora”, diz ele.

A retroescavadeira deve ficar na obra até o final de 2018. De acordo com Ronan, houve grande interesse por parte da Locare em adquirir a máquina, em razão de dois importantes fatores: as boas condições de negócio viabilizadas pela Automec e o bom desempenho desse equipamento, principalmente no torque e no motor. “Decidimos contratar os serviços pós-venda da Automec para ficarmos despreocupados com as manutenções preventivas e continuarmos com a garantia de fábrica. Para isso, vamos buscar uma negociação viável de valores para os dois lados”, informa Ronan.

A Locare Locações é uma pequena empresa com cerca de 20 equipamentos da frota, especializada em locação de equipamentos de movimentação de carga para indústrias e construtoras da Baixada Santista (SP). Ronan tem pretensões de expandir essa atuação para outras regiões do estado. “Nossa perspectiva de crescimento é de 100% nos próximos três anos, com a ampliação das atividades da empresa”, diz.

De acordo com ele, a atividade de locação continua promissora já que a tendência do mercado é optar cada vez mais pela terceirização. Embora hoje o valor de locação tenha caído de 20 a 30%, o mercado continua viável, desde que feito de forma profissional e as empresas tenham um modelo eficiente de negócios.

(Fonte: Assessoria de Imprensa)