Lançamentos de máquinas e equipamentos na M&T Expo apontam para recuperação do setor

A 10ª edição da M&T Expo confirmou o cenário favorável de crescimento e recuperação do mercado de máquinas e equipamentos, um dos mais afetados pela crise e recessão, pelo menos, nos últimos quatro anos.

Para um público qualificado, interessado em negócios, as principais companhias do setor divulgaram lançamentos de novos produtos, atualizações tecnológicas e investimentos em máquinas fabricadas no Brasil, durante os quatro dias de evento realizado de 26 a 29 de novembro no SP Expo.

A feira é uma iniciativa da Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração (Sobratema) e, nesta edição, contou com a organização da Messe München.

Segundo estudo divulgado pela Sobratema, o volume geral de vendas de máquinas para construção deve crescer 38% neste ano diante de 2017. No total, a estimativa é de que sejam comercializadas 17,8 mil unidades em 2018, contra 12,9 mil unidades no ano passado.

Essa conta leva em consideração todas as categorias, incluindo linha amarela e demais equipamentos como guindastes, compressores portáteis, manipuladores telescópicos, plataformas aéreas, tratores de pneus pesados, gruas torre, caminhões rodoviários, entre outros.

Ainda de acordo com o estudo, as vendas de retroescavadeiras devem crescer 51%, chegando a 3,15 mil unidades neste ano. A comercialização de pás carregadeiras aponta para uma alta de 42%, e as escavadeiras hidráulicas devem alcançar um percentual de crescimento de 30%. Nos anos mais aquecidos, como 2013 e 2014, o mercado total de máquinas fechou a conta com aproximadamente 30 mil unidades comercializadas.

Tradicionalmente, o evento reúne a maior parte do público formada por tomadores de decisão como diretores, CEOs, gerentes, executivos de empresas de engenharia, mineradoras e locadores. Os números de visitantes e negócios não foram divulgados até o fechamento desta matéria. Os organizadores esperam que a M&T tenha reunido mais de 50 mil pessoas, mesmo tendo sofrido impactos negativos com a transferência de data de junho para novembro em função da paralisação dos caminhoneiros. No geral, expositores entrevistados pela reportagem consideram que essa mudança de calendário da M&T Expo teve um efeito positivo devido ao novo cenário político e econômico desenhado no país a partir do resultado das eleições gerais e da transição do novo governo, que reforçam as perspectivas de retomada econômica. 

 Lançamentos e inovações reforçam tendência de alta

Na arena de demonstrações na área externa da M&T Expo, o público pôde conhecer de perto lançamentos e atualização tecnológica no portfólio das grandes fabricantes de máquinas e equipamentos para construção e mineração.

Um dos destaques apresentado foi a nova série de escavadeiras X3E da Link-Belt. A marca já tinha lançado oficialmente no país o modelo 210X3E, agora a novidade é a escavadeira 180X3E, que reforça o time de máquinas da nova série X3E.

Segundo Guilherme Borghi, Gerente de Suporte ao Cliente, o equipamento traz muitos benefícios como mais produtividade com economia de combustível, conforto e segurança ao operador. “Com inovação e alta produção de nossos produtos premium, garantimos performance e disponibilidade da escavadeira pelo maior tempo possível. Temos buscado nichos com diversificação e estamos atingindo nossos objetivos”, disse Borghi.

Entre as melhorias do modelo 180X3E, destacam-se a cabine ROPS/FOPS, câmera de ré, cinco pontos de iluminação (dois na cabine, dois na lança e um na dianteira, que proporcionam visibilidade a qualquer hora do dia e noite), sistema centralizado de lubrificação e o sistema de rastreamento e telemetria RemoteCARETM.  A máquina ganhou reforço geral na estrutura: o braço, que possui chapa de desgaste, e a lança são de estrutura HD (heavy duty), assim como o link da caçamba.

De acordo com dados da companhia, aproximadamente 60% das soluções Link-Belt no Brasil concentram-se no segmento de lavra garimpeira, e 40% das operações estão espalhadas na construção, agricultura e terraplenagem.

Outra companhia que aproveitou o momento favorável para divulgar novidades é a britânica JCB, que lançou dois conceitos desenvolvidos pela marca. Uma das apostas é a escavadeira de rodas Hydradig, projetada para intervenções em ambientes urbanos com restrição de movimentação. Para isso, a máquina foi desenvolvida com menor estrutura física, para viabilizar ao operador melhor visualização de todas as rodas da máquina durante o deslocamento. A fabricante diz que a capacidade de carga de 14 toneladas se assemelha à performance de equipamentos de maior peso da categoria.

Segundo José Luis Gonçalves, presidente JCB Latam, esse lançamento foi motivado pelo potencial de crescimento de compactos com alta mobilidade no setor de obras públicas em áreas urbanas no país. A outra novidade da JCB apresentada ao público na M&T Expo é a Piling Master, equipamento de perfuração para obras que demandam grande mobilidade. O equipamento foi projetado para aumentar a produtividade em terrenos desnivelados nos trabalhos de perfuração para os setores de construção, habitação e infraestrutura. Permite a instalação de uma pá carregadeira frontal para suporte de atividades.  “No volume total de todos os equipamentos de construção, vemos uma tendência muito forte de crescimento de compactos, porque são máquinas que trabalham muito bem em áreas mais restritas”, avalia Gonçalves.

O executivo também reforçou que a marca fechou o ciclo de investimentos no Brasil do triênio 2015 a 2018 com R$ 70 milhões, e anunciou novos aportes de R$ 40 milhões previstos para serem destinados ao mercado interno até 2021.

E quando se trata de compactos e implementos, a Bobcat está entre as marcas mais procuradas, especialmente para aplicações em projetos de infraestrutura nos municípios. Na M&T Expo, a marca apresentou sua nova linha de miniescavadeiras Série-R com três modelos (E27z, E35z e E37) que oferecem alta força de escavação, mais estabilidade, precisão no controle das funções em complemento com pesos balanceados para um transporte mais fácil. De acordo com a fabricante, as novas miniescavadeiras utilizam uma nova plataforma flexível desenvolvida para adequar diferentes aplicações e configurações às necessidades dos clientes.

Tudo isso sem deixar para trás o conforto do operador e a funcionalidade. Vale reforçar que as miniescavadeiras compactas entram em qualquer obra com espaços limitados, como edificações de pequeno e médio portes, atuam muito bem em reparos de ruas e rodovias, agricultura, entre outras aplicações. Na parte de pavimentação, os destaques foram fresadoras, valetadeiras, vassouras. “Recebemos um aumento no volume de procura e propostas, principalmente do mercado de locação, um ótimo indicador. Em 2019, projetamos um crescimento de 29% no volume de miniescavadeiras”, afirma Pedro Medeiros, Gerente Comercial. Ele destaca também a forte participação da Bobcat na Capital paulista e interior com a atuação da concessionária Mason, em São Paulo e Bauru. 

 

 

Outra marca forte no segmento de compactos é a Yanmar, que acaba de celebrar 60 anos de atividade no Brasil. No estande, os visitantes acompanharam o lançamento da miniescavadeira Vio27, considerada única no mercado em sua categoria com o giro zero de traseira, sistema de monitoramento YANMAR, painel LCD, proteção de todos os cilindros, motor três cilindros com baixo consumo de combustível, entre outras características.

Também foram destaques as miniescavadeiras SV08, Vio12, Vio17, Vio30 e Vio55 projetadas para diversas aplicações: pequenas obras de saneamento, terraplanagem, demolições, paisagismo, construções, abertura de piscinas entre outras muitas. Pedro Ferreira, responsável pelo suporte técnico da Yanmar no Brasil, avaliou que a feira foi uma importante vitrine de negócios.  “O evento surpreendeu nossas expectativas, não esperávamos tantos resultados positivos como estamos vendo por aqui. Nos últimos quatro meses houve um crescimento no setor de máquinas compactas, e esse crescimento é esperado para 2019”, disse Ferreira.

 

Na onda de lançamentos e soluções tecnológicas, a Caterpillar mostrou sua “revolução” na classe de escavadeiras hidráulicas de 20 toneladas com os novos modelos 320 GC (entrada), 320 e 323 (premium) que substituíram a atual família D Série 2 de escavadeiras médias da marca. Com um pacote padrão de tecnologia, a nova linha traz controles intuitivos que auxiliam os operadores a tomarem decisões inteligentes, eficientes e seguras.

Por exemplo, o sistema Cat GRADE 2D oferece orientação de profundidade, encosta e distância horizontal para nivelação, o que permite comandos seguros da máquina debaixo de estruturas, como fiações elétricas. Já o sistema padrão Grade Assist automatiza os movimentos da lança, do braço e da caçamba, e o Cat PAYLOAD, integrado nos modelos 320 e 323, permite a pesagem da carga útil.

Na M&T Expo, a Caterpillar anunciou a introdução no Brasil da escavadeira da nova geração 336 (36 toneladas), e também reforçou o portfólio de soluções da SEM com as carregadeiras de rodas 618D e 636D, e o lançamento no país da motoniveladora 919.  A Caterpillar também aproveitou o momento para divulgar, no estande interno, sua linha completa de soluções para pavimentação.

O presidente da Caterpillar Brasil, Odair Renosto, acredita que o novo cenário político e econômico no país favorece a execução de projetos privados e públicos na área de infraestrutura em 2019. “Não paramos de lançar novos produtos, temos várias linhas de equipamentos que atendem todo tipo de necessidade de nossos clientes”, afirmou Renosto. No entanto, o executivo alertou que o país precisa de uma reforma tributária, pois as diferentes tributações praticadas nos estados dificultam a comercialização de máquinas e equipamentos, que sofrem muita variação na tabela de preço.

Outra gigante do setor que apresentou soluções eficientes e inovadoras é a Komatsu que exibiu a carregadeira WZ 310 e WA420, escavadeira PC200, motoniveladora GD535-5, além de soluções de gerenciamento remoto,  implementos e produtos para os segmentos florestal e mineração. A comercialização foi feita na feira com condições especiais por meio do Banco Komatsu.

“Temos recebido clientes muito qualificados. São visitantes realmente interessados em prospectar a compra de equipamentos. A motivação que uma feira dessas traz para o mercado e para os funcionários é muito positiva, o que ajuda na melhoria dos resultados da companhia no longo prazo”, afirma Luciano Rocha, gerente geral da Divisão de Equipamentos de Construção da Komatsu.

E na esteira de novos investimentos, a John Deere reforçou sua posição estratégica no Brasil e América Latina. Segundo Roberto Marques, Diretor de Vendas da Divisão de Construção da John Deere Brasil, a planta da companhia em Indaiatuba (SP) está sendo ampliada para 12.000 m² de área fabril para começar a fabricar em 2021 três modelos de motoniveladoras que hoje são importadas: 620G, 670G e 770G, com sistema de nivelamento automático. O anúncio ocorre após a recente divulgação da nacionalização dos tratores de esteira 700J, 750J e 850J.

“São vários fatores que nos levam a uma expectativa positiva: o crescimento exponencial da população, a concentração das pessoas nos centros urbanos com a formação de megacidades e a necessidade urgente de melhorias no escoamento das safras agrícolas, motor do PIB. Para atingirmos esse equilíbrio, precisamos estar preparados do ponto de vista tecnológico, investindo em construções de precisão, conectadas e inteligentes. Esse é o caminho”, afirma Marques.

A norte-americana segue o conceito “construção de precisão”. Roberto Marques explica que essas soluções integradas envolvem o controle de todo o ecossistema tecnológico da máquina para melhorar a performance dos equipamentos em suas operações.  “Conexão sem interação, não é nada”, alerta o executivo, ao reforçar que a companhia tem como objetivo tomar decisões baseadas em dados para aumentar a disponibilidade e eficiência das máquinas em campo.

O gerenciamento inteligente da frota dos usuários, por exemplo, é feito por meio do JDLink (software para gerenciamento) e Service Advisor Remote, ferramenta que permite ao distribuidor conectar-se à máquina do cliente para realização remota de diagnóstico.

 Já a Case apostou na divulgação de tecnologias que são tendências e soluções de acessibilidade como diferenciais na M&T Expo. Entre os destaques da marca, o ponto alto foi o anúncio das retroescavadeiras conceito 580N Accessibility, desenvolvidas com plataforma elevatória externa para a inclusão de profissionais com mobilidade reduzida. O modelo foi concebido pelo time de engenharia da marca, na fábrica de Contagem (MG), em parceria com a empresa Elevittá.

De acordo com a fabricante, o equipamento trará um diferencial para o mercado de trabalho e para a sociedade, pois possibilita a inclusão de pessoas com mobilidade reduzida e reafirma a capacidade e o potencial desses operadores.

Outra solução divulgada como tendência é a 580N Wireless, que pode ser acionada e comandada à distância. Modelos protótipos estão sendo preparados para demandas futuras do mercado. A Case também exibiu uma solução baseada em realidade aumentada: um computador holográfico permitiu aos visitantes terem uma visão de situações reais, num ambiente virtual, de aplicações de ajustes e manutenção de máquinas. “Em pouco tempo, essas tecnologias estarão inseridas no dia a dia do nosso cliente”, afirmou Roque Reis, vice-presidente da CASE para a América Latina. 

Com soluções robustas, eficientes e versáteis, a Doosan demonstrou os benefícios de sua linha de escavadeiras e pás carregadeiras. “As construtoras estão renovando suas frotas em função do otimismo do cenário econômico e político. Muitos projetos estão passando para a execução na construção civil. As empresas investem na marca Doosan, que tem 80 anos de tradição, porque as máquinas oferecem eficiência com baixo custo”, afirma Alexandre Andrade, Diretor Executivo da Auxter, companhia que representa a fabricante chinesa no Brasil.

Alexandre destaca que o carro-chefe nos canteiros de obra no país é a escavadeira hidráulica DX225LC. A máquina vem com motor Doosan DL06 turbo diesel de seis cilindros refrigerado à água com injeção direta de 4 ciclos, proporcionando 116 KW e 148 HP de potência (1900 rpm), com elevado torque para operação.

 

Na M&T a Doosan lançou a escavadeira hidráulica DX530LC. O destaque fica por conta do sistema inovador de controle de consumo (SPC – Smart Power Control). Essa solução otimiza o consumo de combustível do equipamento por meio da gestão eletrônica da necessidade de fluxo e potência, promovendo uma operação mais suave e eficiente ao operador. Com 51 toneladas de peso operacional, a máquina é impulsionada por um motor Scania DC13 de 6 cilindros e 344 HP de potência.

Mauro José Costenaro, presidente da Doosan Infracore South America, avalia que o momento econômico é favorável para a inserção de novos produtos. “Estimamos um aquecimento econômico no período do evento, com a liberação de crédito por meio de bancos privados e públicos viabilizando novos investimentos, negócios e parcerias. Assim esperamos que nossas expectativas sejam alcançadas e até excedidas. Além disso, a nova configuração permite verificar todas as opções disponíveis entre os fabricantes presentes na feira, propiciando ao cliente um foco direto no negócio de seu real interesse”, observa o executivo.  

O público qualificado para realizar negócios durante a feira e após o evento também foi um dos pontos altos do evento para Rodrigo Bezerra Fonseca, gerente de vendas de equipamentos e peças na Britamaq. “Público qualificado que veio para fazer negócio de imediato ou em curto prazo. Estamos crescendo a cada ano, em 2012 e 2013, para se ter uma ideia, nosso crescimento foi em média de 70%, mesmo num cenário de crise. Isso comprova que nossos produtos estão consolidados no mercado”.  A Britamaq comercializa no país, desde 2013, os rompedores hidráulicos da marca AJCE considerada uma das principais fabricantes coreanas de equipamentos para construção. A fabricante tem forte presença em mercados globais, como a Europa, e ganhou terreno no mercado brasileiro nos últimos anos, com produtos consolidados, segundo Fonseca.

 

Peças de reposição e serviços

 Com os sinais positivos da indústria de máquinas e equipamentos toda cadeia de fornecedores de peças e serviços também ganha novo fôlego para ampliar investimentos nos próximos anos.

Você procura solução para todos os segmentos?

Com esse slogan, o Grupo GTXE reforçou sua ampla gama de produtos e serviços para o público de potenciais clientes na M&T Expo.

Uma das novidades da companhia na vertical de serviços é a lubrificação automática SKF desenvolvida para evitar falhas prematuras de rolamentos. Trata-se de um sistema inteligente que identifica e lubrifica mais de 40 pontos de lubrificação da máquina para o abastecimento uniforme e automático. De acordo com a gerente de Marketing do Grupo GTXE, Camila Vieira, esse tipo de serviço de lubrificação é uma necessidade que se vê em diversos setores, prova disso é que a companhia criou recentemente uma divisão para cuidar dessa solução.“Temos ótimos resultados alcançados em diversas aplicações. Vemos que a lubrificação automática é uma tendência, por isso criamos uma divisão específica para atender nossos clientes”, disse Camila. Os visitantes também receberam novidades em peças de reposição para eixos e transmissões, rolamentos, ferramentas, e máquinas para locação.

 

 

Com nove lojas espalhadas pelo Brasil e o desenvolvimento de 2.700 itens de reposição neste ano, a Engepeças está entre as empresas do setor de reposição que mantiveram investimentos mesmo diante do cenário de recessão. O Grupo Engepeças levou para a M&T Expo sua linha completa de peças de reposição Caterpillar, Komatsu e Cummins, material rodante, ferramentas de penetração de solo e pneus.  A novidade é que em outubro último assumiu a distribuição dos equipamentos JCB no estado de Santa Catarina. A empresa já é autorizada da marca no Paraná, desde 2009. Com isso, o atendimento JCB passa a ser feito por meio de cinco lojas: Curitiba, Cascavel e Maringá, no Paraná, e Itajaí e Chapecó, em Santa Catarina.

Estar perto do cliente é a chave para a realização de bons negócios. Essa é a estratégia da empresa, segundo o Diretor Antonio Guia, que prevê novo ciclo de crescimento com a troca de governo.  “Estar cada vez mais perto do cliente para atender suas necessidades é um grande diferencial da Engepeças, o cliente precisa de agilidade para não ficar com máquina parada”, diz.

Proximidade com os clientes e especialização em componentes para diversas aplicações fazem parte das estratégias da Tokyo Tratores que aproveitou a M&T Expo 2018 para apresentar ao mercado sua nova linha de ponteiros para rompedores hidráulicos.

Comercializados pela marca TKI, os ponteiros são importados, fabricados com as mesmas especificações do material OEM. De acordo com a empresa, a matéria-prima utilizada é o aço 42 CrMo, que recebe tratamento térmico e revestimento.Também destacam-se outros produtos da linha FPS, além de material rodante, soluções desenvolvidas para equipamentos Komatsu.

Filipe Guimarães Archer, Diretor da Tokyo Tratores, diz que o momento é propício para reforçar a comercialização de produtos com melhor retorno sobre o investimento para locadoras e empreiteiras, que têm como um dos principais objetivos reduzirem custos com manutenção, com reposição de qualidade.

“Depois de três anos de crise, vamos fechar 2018 com níveis melhores. A retomada prevista para 2019 e 2020 não será rápida, mas agora o caminho é de subida”, analisa Archer.

 Referência em fabricação e reposição de peças para máquinas pesadas e equipamentos de movimentação industrial, a Palmares Indústria Metalúrgica  marcou presença na M&T Expo para reforçar os produtos comercializados pela empresa com tradição de 24 anos de mercado.

Importante destacar que nos últimos anos, mesmo com retração econômica, a PIM investiu pesado na ampliação do portfólio de produtos, atualização da sede em uma área construída de 8 mil m² num terreno de 50 mil m², aumento no número de colaboradores, e expansão do parque fabril.

“A M&T é uma oportunidade para valorizarmos a nossa marca e serviços. Investimentos muito nos últimos anos e estamos preparados para a retomada do mercado com produtos de reposição de alta qualidade e agilidade na distribuição de peças para nossos clientes”, avalia Jefferson Luis Amorim, diretor e um dos fundadores da PIM.

 Especialização também é o foco da Tem Tratores Peças que aproveitou os bons ventos soprados na M&T Expo para encaminhar negócios.

A empresa comercializa peças para equipamentos Komatsu, com 40 mil itens de reposição. “Percebemos uma boa movimentação, e nossa expectativa é de que os resultados e investimentos da feira superem nossas expectativas”, diz Thiago Giglio, Diretor Comercial.

A Tem Trator Peças atua com excelência no mercado de reposição para revendas localizadas em todo país, e América do Sul. Seu foco de atendimento está voltado para construção civil, mineração, agropecuária e obras de infraestrutura.

 “Soluções sem limites”

 Com mais de 700 despachos diários de produtos do centro comercial e de logística em São Paulo, o Grupo GHT tem como estratégia oferecer um mix de soluções para ampliar o atendimento e parceria com os clientes e aumentar a receita recorrente.

O coordenador de marketing do Grupo GHT, Fabio Zanardi, destaca que a companhia é distribuidora de marcas renomadas no mercado de reposição, ofertando peças com qualidade muitas vezes superior aos itens das fabricantes de máquinas. “Tudo o que o cliente precisa ele vai encontrar no GHT.  A crise econômica estimulou a busca por soluções com melhor custo e qualidade na reposição de peças. Nesse sentido, o GHT também tem sido um grande aliado dos nossos clientes para redução de custos nas operações com produtos eficientes e com qualidade de marcas consolidadas no mercado”, diz Zanardi.

Com amplo portfólio de soluções, uma das novidades apresentadas pelo grupo é a distribuição master de peças de motores Caterpillar da FP Diesel no Brasil, marca reconhecida pela precisão no fornecimento de componentes para equipamentos e veículos leves, pesados e fora-de-estrada para os setores energético, aeroespacial, marítimo, ferroviário e industrial. Fabio Zanardi também destaca como atrativos na feita a linha de materiais rodantes para escavadeiras elétricas de grande porte, como sapatas e rodas guias, além de itens da marca ITR, que vão desde materiais rodantes, FPS e peças para motores.

 

 Reaquecimento de obras asfálticas

O setor de pavimentação asfáltica também movimentou a M&T Expo com novidades e perspectivas de expansão em um dos setores da construção mais prejudicados pela crise econômica.

De olho na retomada do mercado, a Bomag Marina Latin America divulgou na feira sua nova usina de asfalto Carbon T-Box 160, configurada em três módulos tipo contêiner. A fabricante classifica o equipamento como novo conceito de usina de asfalto desenvolvida a partir de tecnologia de ponta, automatização de processos, e mobilidade. Oferece módulos descentralizados e independentes, que facilitam a customização do equipamento. De acordo com Walter Rauen, presidente da Bomag Marini Latin America, o equipamento vem atender a uma demanda de clientes preocupados em minimizar custos de transporte. “Criamos um paradigma de usina sob contêiner que foge do designer tradicional de usina sob chassi, porque consideramos que essa mobilidade com itens adicionais não traz vantagens aos clientes.  É o oposto de uma usina de asfalto móvel, que representa custos ao cliente com material rodantes”, afirma Walter.

Um futuro promissor para o reaquecimento de obras asfálticas também é a aposta da Astec do Brasil. “Com a definição da eleição no Brasil, o sinal ficou mais claro em relação a um novo ciclo de crescimento”, diz José Rogério de Paula e Silva, Diretor Geral da Astec Brasil. Na vitrine de soluções, a empresa divulgou as Peneiras de Alta Frequência Vari Vibe Screen acionadas por vibradores hidráulicos ou elétricos de velocidade variável com sistema otimizado de troca de tela até 50% mais rápidas que os modelos da concorrência.

Entre os diferenciais, o equipamento, fabricado no Brasil, oferece diversos parâmetros de operação, como inclinação, amplitude e velocidade. Segundo a fabricante, a instalação e manutenção foram simplificadas, muito requisitada para peneiramento de materiais mais finos em pedreiras. O executivo da companhia destaca ainda que as Peneiras de Alta Frequência Vari Vibe Screen otimizam recursos para pedreiras em função da possibilidade de aproveitamento do material que seria descartado para produção de areia artificial, por exemplo.  A empresa também reforçou para os potenciais clientes que passaram pela feira sua linha completa de soluções asfálticas: usinas, britadores, peneiras, pavimentadoras, além de produtos para mineração subterrânea.

Outra fabricante de ponta do setor que prevê melhoras significativas é a Ammann. “Com a mudança de governo temos perspectivas de melhoras, e isso está sendo observado aqui na feira”, avalia Marcelo Ritter, Coordenador de Marketing e Vendas.  O dirigente avalia que é hora de reestruturação de toda a cadeia de fornecimento do setor.

O destaque da fabricante é a Usina misturadora de asfalto ABC Solidbatch com processamento em lote. Marcelo Ritter diz que o atrativo é que os clientes podem pagar pelos recursos que desejarem a partir do modelo de entrada que apresenta poucos recursos adicionais. “É fácil para transportar, ao mesmo tempo em que conserva as vantagens de uma usina estacionária padrão, incluindo uma elevada produtividade por hora”.

Para empresas que buscam soluções eficientes e de baixo custo para obras asfálticas, a Conishi marcou presença com soluções econômicas e de alta performance com qualidade asfáltica. O engenheiro e diretor da Conishi, Élcio Sigueo Nisioka, destacou a importância da empresa para colaborar com asfaltamento de qualidade nos municípios e otimização das verbas públicas.

“Com o novo governo, esperamos uma mudança oportuna no setor de obras públicas. A tendência é de a verba chegar para Prefeituras fazerem mais com preço correto, com diminuição no valor das obras. Isso facilita a contratação de empresas locais e favorece o fornecimento de máquinas e equipamentos com baixo custo”, disse Élcio. 

Já o Wirtgen Group – companhia que agora pertence ao Grupo John Deere – reforçou seu portfólio com 15 equipamentos, dos quais sete novidades para fresagem, reciclagem, pavimentação, compactação e britagem de agregados. Jandrei Goldschmidt, Gerente de Marketing Ciber (Wirtgen Group), destaca a nova linha de usinas de asfalto iNOVA, que estão em operação em obras de infraestrutura em diversos países na América Latina. No Brasil, Em Matelândia (Paraná), o modelo iNOVA 1500 com capacidade de produção de até 150 t/h está trabalhando na construção da rodovia BR 277. A fabricante ressalta que são usinas de asfalto projetadas para entregar mais produção com maior qualidade, menor custo e impacto ambiental, além de facilidades no transporte. Outro produto divulgado é a fresadora de pequeno porte W 100, adaptada ao mercado latino-americano e produzida pela Ciber em Porto Alegre. O carregador traseiro manobrável oferece uma variedade de aplicações que abrangem desde trabalhos de fresagem de superfície de revestimento até a remoção total do pavimento.

“No país, apenas 12% das rodovias são pavimentadas. Com o crescimento em geral da indústria em torno de 30%, estamos otimistas em relação aos investimentos em infraestrutura, com crescimento consistente. Oferecemos portfólio completo para o cliente ter tudo o que necessita”, observa o gerente de Marketing Ciber. Outra vantagem que a companhia oferece ao mercado, segundo Jandrei Goldschmidt, é uma espécie de consultoria direta com o objetivo de educar os profissionais envolvidos nas operações a extraírem o máximo da tecnologia dos equipamentos da Ciber.