Supersafra de soja faz Paraná bater recorde de escoamento do produto no 1º semestre

Levantamento divulgado nesta semana pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) afirma que o Porto de Paranaguá embarcou um volume histórico de soja no primeiro semestre de 2017. Entre janeiro e junho, foram escoadas 6,7 milhões de toneladas do produto. “O Paraná obteve uma supersafra e o Porto do Paranaguá estava pronto para receber essa produção”, disse o secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

O desempenho dos primeiros seis meses de 2017 bateu o recorde do primeiro semestre de 2016, quando foram exportadas 6,4 milhões de toneladas. O aumento deste ano em relação ao ano passado é de 4%.

O diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino, explica que o resultado é fruto dos investimentos pesados feitos nos últimos anos, aliados à alta produção do Paraná em 2017. “Mais de R$ 620 milhões foram investidos desde 2011 para atender à indústria e ao setor produtivo. Com isso, aumentamos a nossa produtividade em 33%”, explica Dividino.

Entre os investimentos, estão reformas do cais, substituição de equipamentos antigos por modernos e mais eficazes, trocas de equipamentos, campanhas de dragagem e novos processos automatizados, que dão mais agilidade e segurança às operações.

A primeira colheita de soja em 2017 foi recorde absoluto no Paraná. No total, 19,5 milhões de toneladas foram colhidas, número que representa 3 milhões a mais que o registrado no ano passado, que registrou 16,5 milhões de toneladas. O aumento foi de aproximadamente 19%. Os dados são do Departamento de Economia Rural (Deral).

Segundo o economista do Deral, Marcelo Garrido, o recorde histórico neste ano se deve a diversos fatores, com destaque para o clima, a extrema organização das cooperativas agrícolas, o mercado e as boas condições de escoamento. “O que temos observado, atualmente, é que o Porto de Paranaguá está totalmente preparado e as condições de operação são mais que o suficiente para a exportação dos produtos paranaenses”, comentou Garrido.

(Fonte: Sec. Estadual de Infraestrutura e Logística do Paraná)