Gigantes de tecnologia criam dispositivo de Internet das Coisas para auxiliar produtores agrícolas

Microsoft, Lantern Technologies e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) desenvolveram um dispositivo baseado em Internet das Coisas que permitirá aos produtores monitorarem variáveis agroclimáticas que lhes facilitará a tomada de decisões para gerenciar suas fazendas e melhorar seus rendimentos.

Trata-se do primeiro protótipo de uma estação climática elaborado com a mais recente gama de tecnologias de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês), dotado de sensores que registram em tempo real dados de variáveis como umidade do solo e ambiental, temperatura, precipitação, luminosidade, orvalho, velocidade e direção do vento, entre outras.

Segundo o gerente de Tecnologias de Informação, Comunicação e Agricultura Digital do IICA, Emmanuel Picado, a informação coletada pelos sensores será armazenada na nuvem, fornecida pela Microsoft, a qual os produtores terão acesso e poderão criar alertas e notificações sobre variáveis específicas para que cheguem aos seus dispositivos móveis ou por e-mail.

“É uma solução integral para os pequenos e médios produtores que se pode escalar. Os sensores utilizam baterias convencionais com uma autonomia no campo de até dois anos. Estes se conectam com a nuvem por meio de uma rede de radiofrequência de baixa largura de banda e custo moderado”, detalhou Picado.

Inicialmente, esta estação climática será usada no campo por meio do Programa Centro-americano de Gestão Integral da Ferrugem do Café (PROCAGICA), executado pelo IICA e financiada pela União Europeia.

Este programa fornece assistência técnica a cafeicultores da Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica, Panamá e República Dominicana, para atender com enfoque produtivo, social e comercial os problemas relacionados com a ferrugem.

“A necessidade de informação sobre o clima está cada vez maior, dada à complexidade dos cenários produtivos e a maior vulnerabilidade climática com impacto sobre os rendimentos e os preços do cultivo”, assegurou o coordenador do PROCAGICA, Harold Gamboa.

“Esta ferramenta tecnológica busca facilitar a tomada de decisões no manejo das unidades produtivas e um melhor planejamento das ações no campo, de acordo com as características de cada região”, completou.

O Instituto terá um papel chave para capacitar, assessorar e fornecer acompanhamento aos produtores para a utilização do dispositivo, assim como para interpretar os dados e a informação que se coleta, com a finalidade de que possa aplicar boas práticas agrícolas, evitar perdas das colheitas e melhorar sua produtividade.

“O protótipo da estação climática é parte dos esforços do IICA para a transformação e a ‘digitalização’ da agricultura, que procura reduzir a desigualdade digital, fornecer acesso a ferramentas tecnológicas para os produtores e que estes tenham segurança e confiança neste tipo de solução”, acrescentou Picado.

(Fonte: Assessoria de Imprensa do IICA)